Home Política Brasil A Pandemia, as Reformas e as Falências.
Brasil - Mundo - Política - 19 de março de 2020

A Pandemia, as Reformas e as Falências.

O sistema capitalista, mais uma vez, vive seu romance -tóxico- de verão com outra crise. Esse romance vem e vai, foi 1836, 1847, 1857, 1866, 1873, 1882-84, 1890-93, 1900, 1907, 1913, 1920, 1929-33, 1938 mas aí tivemos a guerra, 2008…

Cada vez mais forte, cada vez com menos tempo entre eles, e assim como um romance fadado ao fracasso, os danos são quase que irreparáveis, e a única certeza? É que esse romance vai acontecer – de novo – em algum momento, e é a gente que vai pagar o pato.

A gente precisa superar esse tal capitalismo, já passou a hora dele.

Com a nova crise do capital já prestes a nascer, entre recordes de queda na Bovespa, 5 ‘circuit breaker’ em 6 pregões, no acumulado do ano até o momento a Bolsa soma -38,46%.
Fonte: G1 – Globo

As bolsas por todo mundo estão com fortes quedas, os grandes monopólios internacionais como Apple, MasterCard, Toyota e afins, anunciaram que os lucros irão cair e provavelmente não atingiram sua meta previamente estabelecida.
Fonte: Jornal A Nova Democracia

Um dos principais afetados, quanto nação, tem sido o social-imperialismo Chinês, onde empresas locais têm relatado dificuldades financeiras, e isso vem levando a atraso de salários e demissão de trabalhadores. Mas o BC Chinês informou que “ajudaria” nos esforços ampliando o crédito, com empréstimos e também taxas de juros que fossem favoráveis.
Fonte: Folha SP

E essas ações a gente vêm acompanhando nos países imperialistas, em sua grande maioria, tentando de alguma forma “amenizar” os danos para seus burgueses, no EUA as taxas de juros foram diminuídas a quase zero (0% ~ 0,25%), e no domingo 15/03/2020 o governo lançou um programa de US$ 700 bilhões, isso como parte de uma ação entre Reino Unido, Japão, zona do euro, Canadá e Suíça.
Fonte: UOL ECONOMIA

E a pergunta que não quer calar é: E o velho estado brasileiro? O que ele tem feito para proteger os pequenos empresários e os trabalhadores?

Um dos serviçais do imperialismo, o liberal Paulo Guedes, diz que existirão medidas para ajudar o Brasil, mas antes de dize-las estabelece a condição:

“Não tem caminho sem as reformas”

E em meio a briga das frações da burguesia, o então presidente da Câmara Rodrigo Maia, reforça, mas diz que não é o suficiente:

“Estamos prontos pra ajudar, como colaboramos no ano passado com toda agenda de reformas. Acho que elas ajudam, mas certamente não são o único ponto para solucionar os dados da crise”

Analistas de mercado sonham que Guedes copie o exemplo do EUA, que citamos acima, e cortar impostos, postergar o pagamento de tributos, como alternativa, mas né? Segundo os mesmos e também Guedes, o Brasil não tem condição fiscal pra isso.
Fonte: Folha SP

Ou seja?

O velho estado está pronto pra “ajudar” o nosso país, mas não se iluda, isso não inclui os pequenos empresários e os trabalhadores, pra esses o governo já deu a solução, disse que vai permitir que cortem a jornada de trabalho e também o salário pela metade.
Fonte: Folha SP

Antes os lacaios que estão no governo, precisam ver o que os senhores deles, a burguesia imperialista, querem que eles façam.

Não importa se quebrarmos, não importa se a gente ficar cada vez mais precarizado, sem emprego, sem saúde, sem nada.

Mesmo que o resto do mundo escolha o caminho de amenizar a crise que eles mesmos criaram, nós somos um país semi-colonial, nós somos a periferia do mundo, não nos dão se quer o direito de trabalharmos e tentar sobreviver mesmo que em condições horríveis.

Mas então, o que deveria de fato ser feito?

Para a pequena-burguesia nacional?

Como medida imediata para os pequenos-empresários, é preciso exigir mais crédito a juros muito mais baixos que os praticados atualmente, prorrogação e/ou desconto no pagamento de impostos, e acima de tudo condições minimamente decentes de existência para os pequenos-empresários sufocados e ameaçados de extinção pelos monopólios imperialistas.

E para nós, trabalhadores?

Para nós, a unica coisa que nos resta, é tomar o céu de assalto.