Home Política Agitação Associação Democrática Brasileira – ADB
Agitação - Política - 14 de janeiro de 2021

Associação Democrática Brasileira – ADB

Nota – Generalidades e Apriorismos:

O texto seguinte é uma exposição das demandas da organização de massas “Associação Democrática Brasileira”, que conta com o apoio da Revista Amigo do Povo.

Estas demandas para além de demonstrarem as intenções da organização em questão, devem servir também como objeto de propaganda, i.e., sendo impressa e distribuída.

Para contatar os integrantes da Associação Democrática Brasileira, basta contatar a Revista Amigo do Povo.


Demandas da Associação Democrática Brasileira

A força do desenvolvimento social já empurra o Velho Brasil para o lixo.

Das Jornadas de Junho à Greve dos Caminhoneiros; do Breque nos Apps à intensificação da luta dos camponeses pobres; dos protestos individuais e coletivos de artistas e esportistas ao crescente boicote eleitoral das massas populares: todos estes eventos apontam que, na carne, as classes progressistas de nosso país (e consequentemente as mais exploradas) já sentem e agem no sentido de superar o atual estado de coisas.

Mas ataques pontuais contra o imperialismo, os resquícios semi-feudais e o capitalismo burocrático no Brasil não podem ser mais que uma guerra de guerrilhas interminável. É preciso dar um passo adiante, com a coalizão de todas as classes oprimidas em uma Associação acessível aos elementos avançados das massas.

Associação esta que deva, por sua composição de classe e ação, cooperar na luta por uma Nova Democracia, que garanta para o Brasil as condições materiais necessárias para, enfim, fazer a verdadeira felicidade do povo — o socialismo.

Neste espírito, e com estes objetivos, nasce a Associação Democrática Brasileira que, cooperando no desenvolvimento da luta de classes, educando, agitando e servindo o povo, tem como demandas imediatas:

  1. A nacionalização de todo capital estrangeiro;
  2. A proscrição do capital burocrático;
  3. A garantia de terra para quem nela trabalha;
  4. A criação de um único banco nacional que haja de acordos com os interesses de todo o povo;
  5. Parâmetros tributários que privilegiem, na recolha, a renda e não o consumo;
  6. Abolição do direito à herança;
  7. Taxação progressiva e pesada de fortunas, bem como estatização do sistema financeiro;
  8. Fim dos impostos sobre itens de primeira necessidade;
  9. A revogação imediata de todas as contrarreformas (trabalhista, previdenciária, etc.);
  10. Reversão de todas as privatizações e concessões dos setores estratégicos;
  11. Elevação geral dos salários;
  12. Fim da política genocida de Guerra Às Drogas;
  13. Legalização do aborto;
  14. Garantia dos povos nativos às suas terras.

Estas demandas, sozinhas, não são revolucionárias, tampouco constituem o caráter da Nova Democracia que o país precisa para a definitiva emancipação.

Entretanto, constituem a garantia de uma imediata melhora na vida das massas que, se conquistadas em luta popular autêntica (sem as ilusões eleitorais e legalistas), forjará os quadros que edificarão a Nova Democracia ininterrupta ao Socialismo na revolução brasileira.

Portanto, no interesse das classes progressistas e anti-imperialistas brasileiras, da soberania e desenvolvimento nacional, bem como da Nova Democracia ininterrupta ao socialismo, defenderemos e lutaremos para implementar as demandas aqui expostas.

OUSEMOS LUTAR!
OUSEMOS VENCER!
NÃO TEMOS NADA A PERDER, MAS UM MUNDO A GANHAR!